Só vejo essa lululis... Espero que saia logo
Anônimo

Sabe meu anjo, ninguém é obrigado a gostar de ninguém e eu não acho que você seja obrigada a gostar de mim. Mas respeito é algo que se deve até ao cão mais sarnento que está morrendo na beira do asfalto, se você não gosta de mim poderia simplesmente me ignorar como eu sei que diversas pessoas que não gostam de mim nesse tumblr fazem, fizeram e têm feito. Não vou faltar com respeito a você ou tentar falar qualquer coisa feia ou desgostosa porque desde o momento em que você não sabe respeitar alguém, você já está se humilhando. Deveríamos olhar pra dentro de nós primeiramente antes de criticar alguém, porque palavras ferem muito mais do que qualquer ato físico pois elas permanecem pra sempre na memória, então você já parou pra pensar no quão mal você se sentiria lendo essa pequena frase que você acabou de mandar na ask? Quantas garotas não se cortariam ou cometeriam uma loucura ao ler isso pois poderia ser a gota d’água para elas? Todo mundo não precisa gostar de mim, idiotice minha esperar algo do tipo, mas respeito e compaixão se deve a todos então não venha me julgar. Lembre-se que só Deus pode nos julgar. 

/lululis

Back to December
Há um ano eu não via meu ex-namorado, ele me disse que formaria uma banda, tudo bem eu aceitei, mas com o passar do tempo a banda dele foi ficando importante e colecionando um numero imenso de fãs, ele foi ficando sem tempo e eu sentia realmente a sua falta.
Eu conhecia a família dele á anos, moramos um ao lado do outro por muito tempo desde que vim pra Doncaster e estudávamos na mesma escola, então nós éramos meio que inseparáveis.
Quando a banda cresceu e ele me disse que faria uma turnê de seis meses que começaria em dezembro, eu não gostei muito da ideia, pois seria a primeira vez que iríamos nos separar por um longo tempo, então eu disse que queria ficar sozinha, mas ele tentou me dizer algo e eu não quis ouvir, virei as costas e fui embora. No outro dia ele apareceu na minha porta de manhã bem cedinho com um buquê de rosas e sorriu.
Louis: Eu vim me despedir, estou indo pra Londres agora. – eu fiquei o encarando sem dizer uma palavra – É… São pra você. – disse sem jeito quando viu que eu não falaria nada.
Eu: Você não vai me comprar com isso… – a frase morreu e meus olhos lacrimejaram – Eu ainda não quero que você vá. – ele suspirou.
Louis: Eu não quero te comprar… – puxou meu braço levemente me fazendo pegar o buquê – Mas eu realmente tenho que ir… – eu não consegui segurar o choro.
Eu: Então vai Louis, adeus!
Joguei as flores no chão e fechei a porta na cara dele, me encostei na mesma o ouvindo dizer que ai voltar.
Bom eu me mudei pra Nova York e perdi o contato com a família dele, meu irmão e Louis ainda se falavam por telefone, internet pelo que dava. No aniversário do Loueh eu não liguei, depois de um tempo percebi o quão estúpida eu tinha sido aquele dia e não tive coragem, mas meu irmão ligou.
E o porquê dessa lembrança?
É o aniversario do meu irmão, 5 de dezembro e o Louis está aqui parado na minha frente.
Eu: Oi… Pode… Pode entrar! – disse meio perdida e ele riu forçadamente.
Meu irmão estava na sala e quando viu Louis foi correndo o abraçar, e eu fiquei os olhando de longe. Eu e Louis parecemos estranhos um pro outro, foi como se ele não me conhecesse.
Não tinha mais nada que eu pudesse fazer, eu não posso voltar no tempo e o abraçar, dizer que eu o esperaria e cuidar das flores que eu deixei morrer. Louis havia me esquecido ou superado tudo que passamos. 
Horas depois meu irmão foi comprar bebida e eu até então estava no meu quarto, resolvi descer e ao passar pela sala vi Louis sentado na varanda olhando a rua. Caminhei devagar até lá.
Eu: Estou feliz por ter arrumado tempo pra nos ver.  - me sentei ao seu lado numa distância favorável
Louis: É! – ele continuou olhando pro mesmo lugar
Eu: Como está sua família faz tempo que eu não os vejo…
Louis: Eles estão bem!
Ele está na defensiva e eu sei porque, não o culpo por isso. Me levantei, mas ele segurou meu braço antes de eu me virar.
Louis: Eu voltei três meses depois, mas você não estava lá. – disse agora me encarando.
Eu: Eu… Me desculpa! – falei baixo fechando os olhos e tentando não chorar
Louis: Por que você fez isso, acabou com nós dois sem ao menos pensar. – se levantou.
Eu: Não sei… Eu não sei, Louis! – me virei de costas pra ele não me ver chorando.
Louis: Você poderia ter mantido contato com minhas irmãs, como seu irmão fez comigo!
Eu: Eu já disse que eu não sei Louis, o que eu sei é que eu fui uma estúpida, idiota agindo daquele jeito… – me virei chorando mais ainda – Mas acontece que eu fiquei com medo, nós nunca tínhamos ficado longe tanto tempo.
Louis: Não chora… – me abraçou – Eu senti sua falta!
Eu: Me desculpa Loueh, me desculpa por aquele dia… – me soltei de seu abraço e o olhei nos olhos – Eu não te queria longe e agi sem pensar, você me deu o seu amor e eu te disse adeus. – eu não conseguia cessar o choro.
Louis: Tudo bem eu estou aqui, não estou? – sorriu. Como eu sentia falta desse sorriso.
 Eu: Eu te amo tanto… – suspirei – Se nos amássemos de novo, eu juro que dessa vez eu te amaria direito!
Louis: Eu quero tentar, se você também quiser… – Sorri.
Eu: Claro que eu quero!
Nos beijamos, aquele beijo que me fazia uma falta enorme. Agora eu não vou cometer a burrice de deixá-lo outra vez, aqui estamos nós de volta a dezembro recomeçando o que não deveria ter acabado. 

AÊ MOÇADA de chorar de tão lindo o imagine né? Todos os créditos à minha gatinha Tay! 
/lululis

Back to December

Há um ano eu não via meu ex-namorado, ele me disse que formaria uma banda, tudo bem eu aceitei, mas com o passar do tempo a banda dele foi ficando importante e colecionando um numero imenso de fãs, ele foi ficando sem tempo e eu sentia realmente a sua falta.

Eu conhecia a família dele á anos, moramos um ao lado do outro por muito tempo desde que vim pra Doncaster e estudávamos na mesma escola, então nós éramos meio que inseparáveis.

Quando a banda cresceu e ele me disse que faria uma turnê de seis meses que começaria em dezembro, eu não gostei muito da ideia, pois seria a primeira vez que iríamos nos separar por um longo tempo, então eu disse que queria ficar sozinha, mas ele tentou me dizer algo e eu não quis ouvir, virei as costas e fui embora. No outro dia ele apareceu na minha porta de manhã bem cedinho com um buquê de rosas e sorriu.

Louis: Eu vim me despedir, estou indo pra Londres agora. – eu fiquei o encarando sem dizer uma palavra – É… São pra você. – disse sem jeito quando viu que eu não falaria nada.

Eu: Você não vai me comprar com isso… – a frase morreu e meus olhos lacrimejaram – Eu ainda não quero que você vá. – ele suspirou.

Louis: Eu não quero te comprar… – puxou meu braço levemente me fazendo pegar o buquê – Mas eu realmente tenho que ir… – eu não consegui segurar o choro.

Eu: Então vai Louis, adeus!

Joguei as flores no chão e fechei a porta na cara dele, me encostei na mesma o ouvindo dizer que ai voltar.

Bom eu me mudei pra Nova York e perdi o contato com a família dele, meu irmão e Louis ainda se falavam por telefone, internet pelo que dava. No aniversário do Loueh eu não liguei, depois de um tempo percebi o quão estúpida eu tinha sido aquele dia e não tive coragem, mas meu irmão ligou.

E o porquê dessa lembrança?

É o aniversario do meu irmão, 5 de dezembro e o Louis está aqui parado na minha frente.

Eu: Oi… Pode… Pode entrar! – disse meio perdida e ele riu forçadamente.

Meu irmão estava na sala e quando viu Louis foi correndo o abraçar, e eu fiquei os olhando de longe. Eu e Louis parecemos estranhos um pro outro, foi como se ele não me conhecesse.

Não tinha mais nada que eu pudesse fazer, eu não posso voltar no tempo e o abraçar, dizer que eu o esperaria e cuidar das flores que eu deixei morrer. Louis havia me esquecido ou superado tudo que passamos. 

Horas depois meu irmão foi comprar bebida e eu até então estava no meu quarto, resolvi descer e ao passar pela sala vi Louis sentado na varanda olhando a rua. Caminhei devagar até lá.

Eu: Estou feliz por ter arrumado tempo pra nos ver.  - me sentei ao seu lado numa distância favorável

Louis: É! – ele continuou olhando pro mesmo lugar

Eu: Como está sua família faz tempo que eu não os vejo…

Louis: Eles estão bem!

Ele está na defensiva e eu sei porque, não o culpo por isso. Me levantei, mas ele segurou meu braço antes de eu me virar.

Louis: Eu voltei três meses depois, mas você não estava lá. – disse agora me encarando.

Eu: Eu… Me desculpa! – falei baixo fechando os olhos e tentando não chorar

Louis: Por que você fez isso, acabou com nós dois sem ao menos pensar. – se levantou.

Eu: Não sei… Eu não sei, Louis! – me virei de costas pra ele não me ver chorando.

Louis: Você poderia ter mantido contato com minhas irmãs, como seu irmão fez comigo!

Eu: Eu já disse que eu não sei Louis, o que eu sei é que eu fui uma estúpida, idiota agindo daquele jeito… – me virei chorando mais ainda – Mas acontece que eu fiquei com medo, nós nunca tínhamos ficado longe tanto tempo.

Louis: Não chora… – me abraçou – Eu senti sua falta!

Eu: Me desculpa Loueh, me desculpa por aquele dia… – me soltei de seu abraço e o olhei nos olhos – Eu não te queria longe e agi sem pensar, você me deu o seu amor e eu te disse adeus. – eu não conseguia cessar o choro.

Louis: Tudo bem eu estou aqui, não estou? – sorriu. Como eu sentia falta desse sorriso.

 Eu: Eu te amo tanto… – suspirei – Se nos amássemos de novo, eu juro que dessa vez eu te amaria direito!

Louis: Eu quero tentar, se você também quiser… – Sorri.

Eu: Claro que eu quero!

Nos beijamos, aquele beijo que me fazia uma falta enorme. Agora eu não vou cometer a burrice de deixá-lo outra vez, aqui estamos nós de volta a dezembro recomeçando o que não deveria ter acabado. 

AÊ MOÇADA de chorar de tão lindo o imagine né? Todos os créditos à minha gatinha Tay! 

/lululis

Imagine Hot - Niall Horan

Pedido: “Oi, vc pode fazer um One Shot Hot do Niall, quando a S/n vai conhecer o Theo e era noiva do Niall e a noite acontece algumas coisas Hot no quarto do Niall entre a S/n e o Niall. Por favor”
——————————————————————————————————-

- Estamos chegando. – Niall disse rindo ao ver que eu tinha acabado de bater a cabeça no vidro da janela de tanto sono.
- Graças a Deus.
- Pode dormir um pouco. – Tocou minha coxa. Que mão quente, Niall… Sorri docemente, mas por fora porque por dentro eu possuía uma (s/n) diabólica sorrindo da forma mais maliciosa que sabia.
- Não quero, obrigada. – Tirei sua mão da minha coxa e beijei-a.
- Pronto, já chegamos. – Niall disse alguns minutos depois e estacionou o carro na frente da casa de seus pais. – Theo é uma criança muito doce e apegada. Estou sentindo que vou ser trocado essa noite.
- Que nada! Nem sei se ele gostará de mim. – Abaixei a cabeça encarando minhas mãos. Desde que Theo nasceu eu não conseguir voltar à Mullingar para conhecê-lo. Eu estava lotada de trabalho em Nova York e nem conseguia ir até Londres para ver Niall.
- Theo gosta de todos, mas eu tenho certeza que de você ele gostará mais.
Niall abriu a porta do carro pra mim e nós entramos rapidamente na casa. Maura nos recebeu na cozinha enquanto preparava um jantar para todos. Ficamos na sala esperando Denise e Greg descerem, coisa que logo aconteceu.
- Uma coisa é certa, Theo não pode ouvir a voz do Niall. – Denise disse rindo quando chegou na sala.
- Por quê? – Meu noivo perguntou pegando o sobrinho no colo. – Como vai, garotão?
- Ele começou a gritar e a puxar minha blusa pra descer e ficar contigo. – Denise riu acariciando a cabeça do filho. – Tudo bem, (s/n)?
- Tudo ótimo, Denise. – Sorri. – Onde está o Greg?
- Já está descendo. Foi buscar um ursinho que o Niall deu ao Theo que ele não solta mais.
- Você gostou? – Niall riu beijando suas mãos. Theo riu também. – Que bom, cara.
- Olá, gente. – Greg aproximou-se e abraçou Niall, mesmo com Theo em seu colo. – (s/n)! Cada vez mais linda. – Beijou minha bochecha.
- São seus olhos. – Falei rindo.
- Os meus são praticamente iguais. – Niall interceptou a conversa.
- Os seus são mais bonitos, querido. – Beijei sua boca.
- Bom, quero te apresentar o meu sobrinho. – Ergueu um pouco Theo. – Tão fofo quanto o tio.
- Ele é mais. Sinto muito. – Respondi olhando admirada para o pequeno bebê. Seus olhos azuis refletiam sob a luz da lareira. O bebê Theo realmente era encantador. – Você é lindo, sabia? – Falei com ele que riu e virou escondendo o rosto no ombro de Niall.
- Ih, já conquistou o garoto. – O tio revirou os olhos.
- Theo, por que você não vai para o colo da sua tia? – Denise perguntou. Theo olhou pra mim novamente e sorrindo estendeu os braços para mim.
- Só lembre-se de devolvê-la depois do jantar. – Niall disse cauteloso para o sobrinho fazendo todos rirem.
O garotinho realmente era muito amável. A família Horan tinha a alegria e simpatia por natureza. Via-se isso através do pequenino Theo, ele mesmo me conhecendo pela primeira vez já me tratava como se me visse todos os dias. Não quis ir para o colo de mais ninguém, nem do tão amado tio.
Após o jantar, Niall e eu ficamos brincando com ele no chão da sala. Apesar de pequeno, ele era bastante inteligente, sabia colocar as pecinhas iguais em seus devidos lugares referentes. Não sei se isso era deslumbre por estar conhecendo-o agora ou se era realmente aquilo. Theo era uma criança extraordinária.
- O que achou dele? – Niall perguntou arrumando a cama.
- Maravilhoso. Podemos levá-lo conosco? – Perguntei sentando-me na cadeira ao lado.
- Eu ainda o levarei pra passar um tempo comigo e aí você vai junto.
- Ótimo. – Sorri já empolgada com a ideia.
- Servirá como experiência para nossos filhos.
- Não perde oportunidade pra falar disso. – Eu ri colocando a mão na testa. – Todas as vezes acaba em uma coisa.
- E por que você acha que eu estou tocando nesse assunto agora? – Sua cara maliciosa entregava tudo. – Podemos começar a treinar como será a produção dos nossos filhos.
- Ai meu Deus, Niall.
- Vem aqui. – Bateu na cama e eu fui até ele.
- O que quer? – Perguntei assim que sentei à sua frente.
- Você. Não está claro? – Balancei a cabeça positivamente enquanto sorria.
Niall atacou minha boca com pressa enquanto passava as mãos por minha coxa. Subiu lentamente as mãos por elas até chegar no botão da calça e abrir um de cada vez. Logo após suas mãos foram para minha blusa fazendo um contato mais próximo entre nossas partes íntimas por cima das roupas. Um vento frio atingiu minha pele e foi aí que eu percebi que Niall despia minha parte de cima.
- Acha certo fazer isso aqui? – Perguntei após forçar minha respiração a voltar ao normal.
- Por quê? – Chupou fortemente meu pescoço.
- E se seus pais ouvirem algo? – Gemi baixo apertando seus ombros.
- Eles dormem como pedras. Fique tranquila. – Beijou minha boca numa clara intenção de me calar.
Ele voltou a subir minha blusa até eu ajudá-lo a tirá-la completamente. Niall desceu sua boca até meu pescoço e beijou os lugares que havia chupado. No meu busto ele deixou mais chupões e nos meus seios, beijou por cima do sutiã e arrancou a peça para beijar minunciosamente cada um. Suas mãos foram até a calça e retirou-a em questão de segundos, uma das mãos de Niall invadiu minha calcinha e rasgou-a em dois pedaços.
Tentei retirar suas roupas, mas Niall apressou-se e retirou ele mesmo. Segurou meu quadril para me manter no lugar e me penetrar sem demora. Mordi seu ombro ao senti-lo completamente dentro de mim, a boca de Niall estava aberta em meu pescoço e sua respiração rente a minha pele me deixava ainda mais arrepiada. Nossos corpos movimentavam-se em perfeita sincronia e o suor de um acabava cobrindo o corpo do outro no momento de união. Eu já não conseguia controlar os gemidos e mesmo com a boca colada ao seu ombro, o som saía em alto e em bom som sob o silêncio da noite na casa da família Horan.
- Vamos acordar a casa inteira. – Eu disse com a voz falha após Niall soltar um gemido gutural.
- Não me importo.
E em um último gemido tudo teve fim. Niall jogou-se ao meu lado puxando-me para seu peito e acariciando meus cabelos. Tentei respirar um pouco antes de beijá-lo, Niall continuou fazendo sua massagem em minhas costas e distribuindo beijos por meu rosto até que eu dormisse.
- Você será uma ótima mãe. – E foi a última coisa que eu ouvi antes de cair num sono pesado e sonhar com um monte de criancinhas de olhos azuis me rodeando.

Imagine Hot - Niall Horan

Pedido: Oi, vc pode fazer um One Shot Hot do Niall, quando a S/n vai conhecer o Theo e era noiva do Niall e a noite acontece algumas coisas Hot no quarto do Niall entre a S/n e o Niall. Por favor”

——————————————————————————————————-

- Estamos chegando. – Niall disse rindo ao ver que eu tinha acabado de bater a cabeça no vidro da janela de tanto sono.

- Graças a Deus.

- Pode dormir um pouco. – Tocou minha coxa. Que mão quente, Niall… Sorri docemente, mas por fora porque por dentro eu possuía uma (s/n) diabólica sorrindo da forma mais maliciosa que sabia.

- Não quero, obrigada. – Tirei sua mão da minha coxa e beijei-a.

- Pronto, já chegamos. – Niall disse alguns minutos depois e estacionou o carro na frente da casa de seus pais. – Theo é uma criança muito doce e apegada. Estou sentindo que vou ser trocado essa noite.

- Que nada! Nem sei se ele gostará de mim. – Abaixei a cabeça encarando minhas mãos. Desde que Theo nasceu eu não conseguir voltar à Mullingar para conhecê-lo. Eu estava lotada de trabalho em Nova York e nem conseguia ir até Londres para ver Niall.

- Theo gosta de todos, mas eu tenho certeza que de você ele gostará mais.

Niall abriu a porta do carro pra mim e nós entramos rapidamente na casa. Maura nos recebeu na cozinha enquanto preparava um jantar para todos. Ficamos na sala esperando Denise e Greg descerem, coisa que logo aconteceu.

- Uma coisa é certa, Theo não pode ouvir a voz do Niall. – Denise disse rindo quando chegou na sala.

- Por quê? – Meu noivo perguntou pegando o sobrinho no colo. – Como vai, garotão?

- Ele começou a gritar e a puxar minha blusa pra descer e ficar contigo. – Denise riu acariciando a cabeça do filho. – Tudo bem, (s/n)?

- Tudo ótimo, Denise. – Sorri. – Onde está o Greg?

- Já está descendo. Foi buscar um ursinho que o Niall deu ao Theo que ele não solta mais.

- Você gostou? – Niall riu beijando suas mãos. Theo riu também. – Que bom, cara.

- Olá, gente. – Greg aproximou-se e abraçou Niall, mesmo com Theo em seu colo. – (s/n)! Cada vez mais linda. – Beijou minha bochecha.

- São seus olhos. – Falei rindo.

- Os meus são praticamente iguais. – Niall interceptou a conversa.

- Os seus são mais bonitos, querido. – Beijei sua boca.

- Bom, quero te apresentar o meu sobrinho. – Ergueu um pouco Theo. – Tão fofo quanto o tio.

- Ele é mais. Sinto muito. – Respondi olhando admirada para o pequeno bebê. Seus olhos azuis refletiam sob a luz da lareira. O bebê Theo realmente era encantador. – Você é lindo, sabia? – Falei com ele que riu e virou escondendo o rosto no ombro de Niall.

- Ih, já conquistou o garoto. – O tio revirou os olhos.

- Theo, por que você não vai para o colo da sua tia? – Denise perguntou. Theo olhou pra mim novamente e sorrindo estendeu os braços para mim.

- Só lembre-se de devolvê-la depois do jantar. – Niall disse cauteloso para o sobrinho fazendo todos rirem.

O garotinho realmente era muito amável. A família Horan tinha a alegria e simpatia por natureza. Via-se isso através do pequenino Theo, ele mesmo me conhecendo pela primeira vez já me tratava como se me visse todos os dias. Não quis ir para o colo de mais ninguém, nem do tão amado tio.

Após o jantar, Niall e eu ficamos brincando com ele no chão da sala. Apesar de pequeno, ele era bastante inteligente, sabia colocar as pecinhas iguais em seus devidos lugares referentes. Não sei se isso era deslumbre por estar conhecendo-o agora ou se era realmente aquilo. Theo era uma criança extraordinária.

- O que achou dele? – Niall perguntou arrumando a cama.

- Maravilhoso. Podemos levá-lo conosco? – Perguntei sentando-me na cadeira ao lado.

- Eu ainda o levarei pra passar um tempo comigo e aí você vai junto.

- Ótimo. – Sorri já empolgada com a ideia.

- Servirá como experiência para nossos filhos.

- Não perde oportunidade pra falar disso. – Eu ri colocando a mão na testa. – Todas as vezes acaba em uma coisa.

- E por que você acha que eu estou tocando nesse assunto agora? – Sua cara maliciosa entregava tudo. – Podemos começar a treinar como será a produção dos nossos filhos.

- Ai meu Deus, Niall.

- Vem aqui. – Bateu na cama e eu fui até ele.

- O que quer? – Perguntei assim que sentei à sua frente.

- Você. Não está claro? – Balancei a cabeça positivamente enquanto sorria.

Niall atacou minha boca com pressa enquanto passava as mãos por minha coxa. Subiu lentamente as mãos por elas até chegar no botão da calça e abrir um de cada vez. Logo após suas mãos foram para minha blusa fazendo um contato mais próximo entre nossas partes íntimas por cima das roupas. Um vento frio atingiu minha pele e foi aí que eu percebi que Niall despia minha parte de cima.

- Acha certo fazer isso aqui? – Perguntei após forçar minha respiração a voltar ao normal.

- Por quê? – Chupou fortemente meu pescoço.

- E se seus pais ouvirem algo? – Gemi baixo apertando seus ombros.

- Eles dormem como pedras. Fique tranquila. – Beijou minha boca numa clara intenção de me calar.

Ele voltou a subir minha blusa até eu ajudá-lo a tirá-la completamente. Niall desceu sua boca até meu pescoço e beijou os lugares que havia chupado. No meu busto ele deixou mais chupões e nos meus seios, beijou por cima do sutiã e arrancou a peça para beijar minunciosamente cada um. Suas mãos foram até a calça e retirou-a em questão de segundos, uma das mãos de Niall invadiu minha calcinha e rasgou-a em dois pedaços.

Tentei retirar suas roupas, mas Niall apressou-se e retirou ele mesmo. Segurou meu quadril para me manter no lugar e me penetrar sem demora. Mordi seu ombro ao senti-lo completamente dentro de mim, a boca de Niall estava aberta em meu pescoço e sua respiração rente a minha pele me deixava ainda mais arrepiada. Nossos corpos movimentavam-se em perfeita sincronia e o suor de um acabava cobrindo o corpo do outro no momento de união. Eu já não conseguia controlar os gemidos e mesmo com a boca colada ao seu ombro, o som saía em alto e em bom som sob o silêncio da noite na casa da família Horan.

- Vamos acordar a casa inteira. – Eu disse com a voz falha após Niall soltar um gemido gutural.

- Não me importo.

E em um último gemido tudo teve fim. Niall jogou-se ao meu lado puxando-me para seu peito e acariciando meus cabelos. Tentei respirar um pouco antes de beijá-lo, Niall continuou fazendo sua massagem em minhas costas e distribuindo beijos por meu rosto até que eu dormisse.

- Você será uma ótima mãe. – E foi a última coisa que eu ouvi antes de cair num sono pesado e sonhar com um monte de criancinhas de olhos azuis me rodeando.

jess amr cade o imagine q vc pegou? vai postar hj?
Anônimo

Oi dear! Vou postar ele agora. Desculpa a demora. Ontem eu tive curso e cheguei morta em casa. Dormi no começo da noite e acordei hoje. Kkkk

/jess

Que bom que gostou Lululis, sua opinião é importante para mim, eu adoro tudo que você escreve. E sim pode postar! /Tay
Anônimo

Awwn Tay quanta fofura ❤❤❤ vou só fazer algumas correções ortográficas pra evitar confusão e já posto.
/lululis

Oi, vc pode fazer um One Shot Hot do Niall, quando a S/n vai conhecer o Theo e era noiva do Niall e a noite acontece algumas coisas Hot no quarto do Niall entre a S/n e o Niall. Por favor

Vou fazer e posto amanhã! Beijos.

/jess

Tudo lindo demais aqui <3 escreve um 1s do Niall? Se der kkk como preferir,mas que eles ficam juntos no final
Anônimo

Awn obg, escrevo sim.
/lululis